Mais de 11 mil filhotes de quelônios são devolvidos à natureza

Uma iniciativa que visa a manutenção das espécies de quelônios da Amazônia está, cada vez mais, obtendo sucesso pelos rios da região. É o trabalho de monitoramento de espécies realizado em parceria com as comunidades ribeirinhas, que habitam as margens dos rios. Na última segunda-feira (28) mais de 11 mil filhotes de quelônios, das espécies de tartaruga-da-amazônia, tracajá, iaçá e irapuca, foram devolvidos à natureza. na Comunidade Nossa Senhora do Livramento, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, localizada em São Sebastião do Uatumã (a 247 quilômetros de Manaus).

A atividade conta com o apoio da Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e da Prefeitura de São Sebastião do Uatumã e faz parte das iniciativas a partir da ação orquestrada entre o poder público e as comunidades; ” É uma ação necessária tanto para a saúde desses ecossistemas, com aumento das populações de quelônios nessas áreas e para o envolvimento das comunidades na educação ambiental”, explicou o secretário de meio ambiente do Amazonas, Eduardo Taveira.

Ação

A soltura de quelônios é o resutado do trabalho desenvolvido por meio do monitoramento das espécies de quelônios. Ele começa com o acompanhamento da desoba das fêmeas, que depositam seus ovos em ninhos ao longo das praias. São so chamados tabuleiros de desova. Após a desova, os Agentes Ambientais Voluntários (AAV) capacitados pela Sema, coletam os ovos e os depositam nos chamados “berçários”, grades construídas pelos moradores para armazaenar os ovos, onde eles podem eclodir em segurança, longe de predadores. Após a eclosão, os filhotes permanecem no berçario, para receber alimentos e se ambientarem ao ecossistema a que pertencem. Eles só são devolvidos à natureza três meses após a eclosão.

Turismo 

Para a vice-presidete da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), Isadora Alfaia,a ação é mais uma iniciativa que visa desenvolver o turismo de base comunitária. “Nós queremos ajudar a comunidade a formatar mais esse novo produto turístico. Uma maneira de desenvolver ainda mais o turismo da região”, disse.

Para os moradores a o projeto ajuda a criar uma consciência ambiental e também o manter o modo de vida da comunidade. “Nós tocamos esse trabalho com muita força. Vocês não imaginam o quanto nós ficamos felizes em manter esse trabalho e a felicidade de todos, das crianças que estão crescendo e daqui mais alguns anos também vão tocar esse trabalho. Eu amo esse trabalho de coração”, contou.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

%d bloggers like this: